Make your own free website on Tripod.com
Maria C. Mesquita  

Maria da Conceição Mesquita


Maria da Conceição Mesquita nasceu em Arnozelo, Beira Grande, concelho de Carrazeda de Ansiães, em 16/8/1929. Oriunda de uma família pobre, teve que debater-se com todo o tipo de dificuldades, tanto mais que o Pai, que fora combatente da Grande Guerra, faleceu aos 33 anos de idade. Maria da Conceção sempre superou todas essas barreiras para o que muito lhe valeu o apoio moral da professora Gracinda Vaz da Mota que foi uma espécie de irmã mais velha. Desde a costura à tecelagem, passando pelos bordados e pelo artesanato mais genuíno, fez um pouco de quase tudo, até que uma voz amiga lhe lançou o desafio: como gostas de ler e de estudar, porque não fazes o exame para Regente Escolar ? O desafio caiu em terra fértil. Em 1947 cumpriu esse repto e lá foi até Viseu, onde passou três anos em quatro lugares distintos. Em Março de 1953 um novo desafio se lhe colocou: fazer o 2º ano do liceu, indo para Lamego. Mas não se ficou por aqui: novamento foi influenciada pela nobre amiga professora Gracinda Mota que a encorajou a trabalhar em Selores, onde fora criada, pois passara a ter um posto que ela foi ocupar. Em 1955, a pretexto do filho mais velho da sua amiga ir estudar para Bragança, entusiasmou-a a ir também, para o que cuidaria do filho, estudando também ela. E assim fez o 5º ano. Segui-se o Magistério Primário e, já com o curso oficial, foi colocada em S. Miguel de Paredes, concelho de Penafiel, onde se efectivou e esteve 11 anos. Em 1971 casou e passou a dar aulas em Paço de Sousa, com residência em Cete, onde o marido, funcionário da Câmara do Porto, tinha construído casa. Quatro anos depois pediu transferência para Cete, onde trabalhou os últimos 16 anos de vida profissional. Por onde passou sempre se ligou ao meio social, distribuindo o seu entusiasmo e saber por diversas instituições. No meio dessa entrega aos outros ainda arranjou tempo para escrever, ora em prosa ora em verso. E foi por entusiasmo da sua comproviciana e nobre amiga Drª Donzília Martins, também ela ilustre poetisa, que se decidiu a reunir em «Paragens no Tempo» alguns dos seus muitos poemas.